terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Visualização em Excel

O site http://www.wisevis.com/ do Jorge Camões oferece uma ampla variedade de informações sobre o tema de visualização de informações. Um aspecto muito interessante são as sugestões de varios tipos de gráficos todos realizados com Excel.










terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Modelo DuPont numa planilha Excel.

Recentemente achei um pequeno artigo do Lauro Jorge Prado no LinkedIn Pulse (https://www.linkedin.com/pulse/modelo-dupont-em-planilha-excel-lauro-jorge-prado) sobre o modelo DuPont numa planilha Excel.
Chamou a minha atenção pois estava trabalhando também sobre KPIs e sua visualização no Excel.

Gostei da ideia de usar cores para visualizar a origem dos dados e a sinalização de mostrar o caminho do cálculo. Na minha opinião mesmo usando estes recursos ainda fica difícil para o leitor ver a real grandeza dos números e fazer as comparações. Um modelo DuPont com o uso de gráficos de barras para a comparação do valor atual com aquele do ano anterior e a disponibilização dos valores de origem talvez ajuda melhor ainda na legibilidade da visualização destes dados. Obrigado Lauro pela iniciativa.






quinta-feira, 24 de novembro de 2016

KPI charts no padrão IBCS

Na contribuição anterior mostramos alguns exemplos de KPI charts selecionados pelo Chandoo.
Hoje queremos mostrar alguns exemplos de KPI charts de dados financeiros aplicando o formato IBCS. Como se trata somente de dados atuais e do período anterior todos os indicadores podem ser apresentados em forma de barras com os dados básicos no lado esquerdo e os indicadores resultantes na direita.


Os charts básicos


.... com a composição do indicador...


... e destacando os componentes.


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

KPI Charts & Dashboards

Num dos mais completos sites sobre Excel, no site do Chandoo (chandoo.org) achei algum tempo atras uma interessante contribuição sobre a visualização de Key Performance Indicators (KPI) em dashboards.



Formam selecionados 43 contribuições, que podem ser analisados e baixados no seguinte link (http://chandoo.org/wp/2015/11/23/kpi-charts-dashbaords/).


Em seguida mostramos 3 dashboards que receberam um elogio do Chandoo.










segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A very common chart type.... To color or not to color? - II


O Prof. Ricardo Martins fez alguns interessantes comentários sobre o tema:
 
Essa decisão depende de alguns fatores:
 
1. econômico : é preciso imprimir preto e branco, como num jornal?
 
2. semântico : de que maneira fazer P&B auxilia o entendimento? Segundo o livro Interaction of Color, do Josef Albers, não é a cor ou ausência dela que informa e sim a relação entre as cores
 
3. prático : usar poucas cores pode ser mais rápido e ágil. Mas deve se levar em conta o uso que será feito do material. Alguns usos exigem a cor, especialmente em materiais digitais
 
4. estético : antes mesmo de ler a informação, o cérebro já formou uma impressão positiva ou negativa do conteúdo. Isso pode criar uma atitude desfavorável com o material, especialmente se o concorrente usa cor de maneira mais atraente.
 
Contatos
no LinkedIn
no Blog dele





sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Gráficos que atendem

As mensagens chave para os executivos são escondidas em montanhas de dados cada vez mais complexos. A apresentação legível deles requer uma excelente visualização.
Não faz muito tempo, que a visualização de dados não era mais que um bom artifício. Algo para os gestores com um carinho especial por gráficos e dados. Hoje porém, nenhum líder consegue trabalhar sem, pois muitos relacionamentos só podem ser descobertos através de um processamento visual. A força motriz por trás deste desenvolvimento são dados. Decisões de negócios baseiam-se cada vez mais na informação que vem tão rapidamente e em tal maciço volume sobre nós que, sem um certo grau de abstração, por exemplo através da visualização, seriamos incapaz de compreender-la No comércio eletrônico por exemplo após um dia de serviço um gerente de sortimento tem tantos diferentes tipos de cliques com as mais diversas ações associadas a eles na sua base de dados que o volume de dados supera muitas vezes o conteúdo de uma completa enciclopédia britânica. Categorizar , analisar, identificar tendências e anomalias e tomar decisões em cima destas montanhas de dados é quase impossível de realizar sem visualização.
Dados não-estatísticos também devem ser processados visualmente. Sistemas complexos, tais como fluxos de trabalho corporativos ou a maneira como os clientes se movem numa loja, por exemplo podem ser dificilmente entendidos sem visualização, e muito menos pensando em otimização.
Graças à internet e do número crescente de ferramentas de software de baixo custo hoje em dia qualquer um pode criar visualizações - mesmo sem conhecimentos específicos em processamento de dados ou elaboração de gráficos. Em princípio trata-se de uma evolução positiva. Ela tem apenas uma desvantagem: Ela promove a tendência de irrefletidamente criar com apenas alguns cliques diagramas e gráficos, sem ter previamente definido a direção e o objetivo claro da ação. O conveniente e confortável substituí o bom resultado: Os gráficos na maioria são suficientes, na pior das hipóteses, ineficazes. Quem transforma automaticamente as células de uma tabela num gráfico, apenas visualiza uma parte de uma tabela, mas nenhum conceito.
Para os especialistas em apresentação o gráfico reflete uma situação de ação humana, cujo conteúdo podemos transmitir para o público através de mensagens, indicadores, destaques, comentários e muitos outros meios de visualização. Mensagens como "Os nossos resultados financeiros pioraram no terceiro trimestre." não funcionam adequadamente, mas quando a mensagem é: “Nosso melhor cliente deixou de comprar 5 produtos no valor de XY em agosto por falta de ....” chama a atenção de todo mundo.
Se os gestores querem criar melhores gráficos, muitas vezes eles começam a aprender regras a partir de perguntas como: Quando eu uso um gráfico de barras? Quantas e quais cores posso usar no máximo? Onde sai a lenda? Eu tenho que começar meu eixo Y em zero? Uma gramática de visualização é importante e útil e um passo necessário para fazer bons gráficos. Mas sem a clareza sobre o qual mensagem e que impacto o gráfico deveria causar e assim como organizar a informação o objetivo de ajudar na tomada de decisões não será alcançado. Seria como comprar um bilhete e deixar o destino em aberto.